F#m                                     G#m
Teima, a preguiça a tomar posse
                            F#m
Este corpo já pesado,
                          G#m
Belo vinho meu ele fosse,
                                     D
Não estaria aqui plantado.
                              F#m
Mas já leva minha conta
                                 A
Que tabernas, agradece
                             G#m
Mais dinheiro eu tivesse
        D                            E7
E ficaria, ficaria todo cá.

Refrão:


               E
Brinde a nós,
                     B
Brinde aos avós.
                   D                              A
Que se houver céu não estão lá sós.
                E
Brinde a vós,
                B
E já sem voz.
                  D             A
Brinde a quem aí vier.

Teima, a preguiça a ser maior
E a vontade de abalar
Mais um copo abaladiço
E outro p’ra recomeçar
Esta dança de balcão,
Que à parte os abraços
Nada deixa, nada fica
Nas histórias, nas histórias
P’ra contar.

Refrão

Adicionado por

Rui Alves

PARTILHAR

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUBLICIDADE

VIDEO