O dia 24 de Outubro começa com um pequeno atraso de 40 minutos (festa que é festa nunca começa a horas), sendo que o Virgílio Faleiro entra em palco, por volta da 1:15h, ainda com o pavilhão da Anil algo vazio. Quase que por magia, basta 3 ou 4 músicas para os estudantes aparecerem em peso e, quando se vê o primeiro copo de cerveja a voar pelo ar, sabemos que o Arraial da Cerveja da Recepção ao Caloiro 2019, da UBI, começa oficialmente. Nota-se que o Virgílio não é caloiro nestas andanças, sendo que os típicos “Covilhã é nossa” e “na Covilhã é que é bom” dão vida ao público, que os entoa de volta para o palco. Quem chega mais cedo e se posiciona estrategicamente na primeira fila sabe perfeitamente ao que vem, já que partilhar um cálice gigante de cerveja com os mais próximos é uma das imagens de marca do Virgílio.

 

Virgílio Faleiro - Recepção ao Caloito AAUBI 2019

Virgílio Faleiro – Recepção ao Caloito AAUBI 2019

 

Pegando em músicas pimba e transformando-as em remixes, ele sabe o que é preciso para tornar sons conhecidos em temas ainda mais dançáveis, com uma batida forte sempre no background. São as mais famosas do Quim Barreiros que trazem energia ao recinto, mas basta chegar a “Toda a noite”, do Toy, para nos relembrar que o êxito monumental desta música ainda não morreu. A meio do concerto começa o que foi o moto da noite: dar o palco aos caloiros. Primeiro 6 rapazes e mais tarde 6 raparigas, sempre com a partilha do famoso cálice à mistura. Mais alguns “qual é o melhor curso?” e um demorado “apita o comboio” mostram realmente que o Virgílio sabe criar intimidade com os caloiros e dar início a uma noite que promete.

 

Virgílio Faleiro - Recepção ao Caloito AAUBI 2019

Virgílio Faleiro – Recepção ao Caloito AAUBI 2019

 

Alguns minutos de intervalo, para trocar os palcos, dá tempo para ir encher o bandulho com uma bifana nas barracas que estão à entrada do recinto e, quando se ouve uma voz feminina a gritar “boa noite Covilhã!”, sabemos que a Ruth Marlene chegou. De couro vermelho (a meio do concerto ainda teve uma mudança de vestuário para um couro preto), partilha o palco com 5 dançarinos que, durante o concerto todo, trazem energia, dinâmica e dança coordenada a um espectáculo muito bom. O moto mantém-se e, a meio do concerto, Ruth revela que tem uma surpresa para 5 caloiras. Com apenas luzes vermelhas de baixa intensidade, cria um mood romântico e 5 sortudas sobem ao palco onde, pela duração de uma música, dançam com os bailarinos e provocam ciúmes aos namorados que vêem do público.

 

Ruth Marlene - Recepção ao Caloito AAUBI 2019

Ruth Marlene – Recepção ao Caloito AAUBI 2019

 

Embora os estudantes não cantem todas as músicas que ela partilha com eles, há sempre algumas que toda a gente sabe de cor, como “A Moda do Pisca-Pisca” ou a “Coisinha Sexy”, que causam uma explosão de energia e copos a voar mal os primeiros acordes soam. A cerveja dá coragem a alguns estudantes que vão tentando imitar os dançarinos, mas sem grande sucesso, já que estes trazem sempre rotinas complexas para cada música. O pináculo do concerto aparece com a “Tu Queres é Festa” e é antes da última música que Ruth nos confidencia que irá acabar um tema exclusivo, que ainda só está nas plataformas online. Assim sendo, “Deixas-me KO” termina o concerto e a cantora deixa o palco debaixo de palmas.

 

Ruth Marlene - Recepção ao Caloito AAUBI 2019

Ruth Marlene – Recepção ao Caloito AAUBI 2019

 

O resto da noite faz-se de DJ’s que, com os seus sets, criam um bom ambiente para o pessoal continuar a dançar e a beber até o sol nascer. Primeiro o DJ Renato Rocha, já conhecido pelos clientes habituais da discoteca da Companhia e, mais tarde, vindo do Fundão, o DJ Roxo, com uma mistura de Afro, Reggaetton, Funk e Pop.

 

Renato Rocha - Recepção ao Caloito AAUBI 2019

Renato Rocha – Recepção ao Caloito AAUBI 2019




Adicionado por

João Ribeiro

PARTILHAR

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *